fbpx

Metaverso: tudo que você precisa saber sobre a tecnologia que integra os mundos real e virtual

Nova era digital do metaverso

Recurso pode criar novos produtos, serviços, negócios e oportunidades.

Por: Gabriela Del Carmen

A tecnologia está desenvolvendo mecanismos cada vez mais sofisticados para transportar o usuário para o universo digital em experiências totalmente imersivas, interativas e com alto grau de realismo. Muito já se fala de inteligência artificial e realidade virtual e aumentada. Mas um novo conceito ainda em ascensão promete ser a grande tendência para os próximos anos: o metaverso.

Ele nada mais é do que um espaço coletivo e compartilhado na web associado a tecnologias que recriam a experiência física no ambiente digital, formando relacionamentos que são, ao mesmo tempo, online e offline. O recurso nasce como uma estratégia omnichannel, interligando diferentes ferramentas para estreitar a relação físico-digital e aprimorar a experiência do usuário.

Segundo Álvaro Machado Dias, professor livre-docente de neurociências da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp) e integrante do painel global de  inovação tecnológica do MIT (Instituto de Tecnologia de Massachusetts), o metaverso permite que iniciativas que estão no mundo físico se propaguem para os ambientes digitais. “É a criação de um ecossistema com propriedades relacionais profundas e eficientes para pessoas que estão separadas geograficamente”, explica.

O termo foi popularizado graças ao Second Life, ambiente virtual lançado em junho de 2003 como uma iniciativa promissora que simulava a vida social dos seres humanos por meio da interação entre avatares. No Brasil, a plataforma viveu seu auge em 2006, mas – muito à frente de seu tempo – não conseguiu se consolidar no mercado. Em um período em que a qualidade das conexões da internet não eram favoráveis e nem mesmo o YouTube era popular no país, Dias atribui a derrocada do Second Life à imaturidade das tecnologias da época para explorar todas as potencialidades do sistema.

“Hoje é diferente, especialmente porque a computação espacial está se desenvolvendo fortemente, impulsionada pela pandemia de Covid-19.”

O conceito de metaverso não é novidade na ficção científica. Filmes como “Ready Player One” e “Matrix” já retrataram a ideia do mundo real baseado no universo digital. No entanto, a indústria cinematográfica – e até mesmo as empresas de tecnologia – ainda não explorou todas as possibilidades.

Como funciona?

Em tempos de pandemia, as videoconferências se tornaram essenciais. No entanto, elas funcionam com uma estrutura relativamente binária: ou você está dentro ou fora dela. Quando a reunião se encerra, o usuário é automaticamente desconectado e volta para seu momento de isolamento e trabalho solitário, sem outras interações diretas com os colegas. Agora imagine que a experiência de trabalho não esteja restrita a uma chamada de vídeo. Ou seja, você pode sair de uma sala de reunião online e continuar conectado com todo o ambiente corporativo: andar pelo corredor, cruzar com um colega ou até mesmo se deslocar pelo refeitório e fazer uma pausa para o café enquanto conversa com outros funcionários. Tudo isso é possível no metaverso.

Com o uso de tecnologias de realidade virtual e aumentada, internet e APIs (interface de programação de aplicações, do inglês), as companhias podem recriar todo o ambiente presencial na web, proporcionando uma experiência completa de proximidade relacional e interações muito semelhantes às que aconteceriam no mundo físico. “Hoje, uma das grandes dificuldades para que o trabalho remoto vire algo natural para as pessoas é a falta de troca e de experiência social compartilhada. O metaverso pode tornar o trabalho virtual menos solitário e com relacionamentos mais naturais”, afirma Álvaro Dias.

Segundo Mariana Santiloni, head de client services da WGSN, empresa global de previsão de tendências no mundo, o metaverso é uma manifestação em crescimento da internet 3.0 – a sucessora da internet que conhecemos atualmente.

“As características que definem o metaverso serão melhor entendidas conforme ele se desenvolve em conjunto com a conexão 5G e a tecnologia de blockchain.”

Mariana Santiloni

Quais os benefícios do metaverso?

A grande vantagem é justamente a possibilidade de criar experiências mais naturais de interação entre pessoas que não estão fisicamente conectadas. A proposta é que elas – ou, nesse caso, avatares – consigam fazer na plataforma virtual qualquer coisa que já fazem no mundo real, com a margem entre o mundo físico e o digital praticamente ilimitada. Os usuários poderão assistir a filmes e desfiles de moda, reunir-se em escritórios, comprar roupas e interagir com os amigos de forma espontânea e completamente interativa.

O metaverso pode servir como o meio do caminho entre o trabalho remoto e o presencial no pós-pandemia, especialmente a partir da segunda metade de 2022. “As empresas começarão a apostar cada vez mais em metaversos corporativos, que remontem digitalmente parte da experiência física, para que a transição de um ambiente para outro seja mais suave”, argumenta Dias.

Para Mariana Santiloni, da WGSN, o metaverso vai viabilizar novas experiências criativas, dando a marcas a oportunidade de contar histórias extensivas, interativas e emotivas. “Esse mundo virtual democratiza experiências antes inacessíveis e abre espaço para novas formas de interação social”, pontua. A aposta é que a tecnologia crie novas práticas, rotinas sociológicas e mentalidades sobre como é estar com as pessoas.

Qual é o valor de mercado?

Álvaro Machado Dias afirma que não há um consenso, uma vez que o metaverso ainda é uma ferramenta em ascensão, que pode ou não se estabelecer com destaque no mercado. No entanto, é possível fazer uma estimativa a partir do valuation das principais empresas criadoras de tecnologias para metaversos, como Unity, Epic Games e a multiplataforma de games Roblox.

Esta última utiliza o multiverso para que seus jogadores criem seus próprios mundos virtuais e projetem seus próprios jogos na plataforma digital. Com o sucesso da tecnologia entre os usuários, a Roblox fechou o mês de março deste ano avaliada em US$ 45 bilhões. Para o especialista, caso a tecnologia cumpra suas promessas, ela pode valer tanto quanto a IoT (internet das coisas), cujo valor global projetado para 2026 ultrapassa a marca dos US$ 1,3 trilhão.

Quem está apostando na tecnologia?

Algumas companhias estão criando estratégias para entrar nesse mercado. Uma delas é a Epic Games, com o “Fortnite”. Inicialmente criada como um jogo de batalhas online, a plataforma se consolidou como uma das queridinhas da Geração Z graças à complexa gama de experiências oferecidas. O usuário pode reunir um grupo de amigos para ver filmes, criar uma ilha com suas próprias regras e juntar-se a outros jogadores em uma batalha de sobrevivência. As experiências imersivas incluem pistas de obstáculos aéreos, corridas de barcos e até shows ao vivo de artistas famosos.

Em 2020, a Epic Games recebeu um investimento de US$ 250 milhões da Sony para fomentar o desenvolvimento de tecnologia, entretenimento e serviços online socialmente conectados. Em abril do mesmo ano, o “Fortnite” somou mais de 3,5 bilhões de horas de jogos disputados e acumulou mais de 350 milhões de usuários registrados na plataforma, que formam uma comunidade fiel de diferentes regiões do mundo, faixas etárias e interesses. Os números foram revelados após uma apresentação virtual do rapper norte-americano Travis Scott, que atraiu mais de 12,3 milhões de usuários. Em fevereiro de 2019, um evento promovido pelo DJ Marshmello contou com mais de 10 milhões de jogadores conectados simultaneamente.

O Facebook, ainda que esteja atrás do “Fortnite” na corrida para entrar no metaverso, já está investindo em tecnologias associadas a esse espaço para criar o seu próprio mundo virtual. Segundo o Seeking Alpha, serviço de conteúdo de crowdsourcing para mercados financeiros, a gigante de mídia social tem 10 mil funcionários, que representam 20% de toda sua força de trabalho, empenhados na divisão Reality Lab para desenvolver tecnologias de realidade virtual e aumentada. Mark Zuckerberg já vem demonstrando interesse pelo metaverso há quase uma década, quando, em 2014, anunciou a compra da Oculus VR, empresa responsável pelos óculos de realidade virtual Oculus Rift.

A eXp Realty, primeira imobiliária digital nativa na nuvem do mundo que começou a operar no Brasil em fevereiro deste ano, já nasceu no ambiente digital, com o propósito de criar um espaço mais inclusivo, longe das hostilidades que, muitas vezes, atingem os corretores em operações tradicionais. Desenvolvida em um ecossistema virtual que permite a interação ativa entre os colaboradores e o acesso a todas as ferramentas necessárias para o trabalho, a empresa vem apostando nas tecnologias do metaverso desde a sua fundação, em 2009.

No ano passado, estudantes norte-americanos das universidades Brown, MIT e Penn reconstruíram seus campus dentro do jogo “Minecraft” e conseguiram percorrer os corredores virtuais mesmo quando a faculdade estava fechada com as restrições de isolamento social. No mesmo ano, alunos da faculdade Berkeley, nos Estados Unidos, que não tiveram uma formatura tradicional diante da pandemia de Covid-19, realizaram a cerimônia na plataforma do jogo, que incluiu até a entrega de diplomas.

No entanto, Mariana Santiloni, da WGSN, reforça que jogos como “Animal Crossing”, “Fortnite”, “Minecraft” e “Roblox” não são metaversos em si mesmos, mas destinos possíveis dentro dele.

Quais os principais desafios da implantação?

Para Álvaro Dias, o desafio ainda está no desenvolvimento técnico das ferramentas. “Faltam programadores que entendam do assunto. Além disso, as próprias tecnologias que temos hoje ainda deixam a desejar, são pouco amigáveis e com várias dificuldades na base.” Para criar um metaverso com todo o seu potencial de experiências imersivas, o especialista acredita que novas linguagens de programação ainda vão surgir, voltadas especialmente para aprimorar as tecnologias e facilitar a criação desses espaços.

Dias também observa um desafio econômico-social. Ele explica que, no Brasil, o acesso às ferramentas de realidade aumentada e computação digital baseia-se em um fenômeno de classe. Esse contexto dificulta a consolidação do metaverso como estratégia de relacionamentos no mundo digital, uma vez que pessoas com maior poder aquisitivo terão muito mais fácil acesso às tecnologias do que o restante da população.

É realista?

Em sua coluna para o Seeking Alpha, o investidor privado Eric Lim acredita que sim. Durante a teleconferência de resultados do quarto trimestre de 2020 do Facebook, o CEO Mark Zuckerberg disse que o sistema de realidade virtual Oculus Quest 2 está “a caminho de ser o primeiro fone de ouvido de RV convencional”, observando que o dispositivo gerou um crescimento de 156% da receita sem publicidade. Segundo Lim, esse número mostra que o potencial de consolidação da tecnologia é realista.

“Além disso, o Facebook não é a única empresa que busca se beneficiar da tendência do metaverso. Há rumores de que a Apple está fabricando seus próprios óculos MR (realidade mista). A Louis Vuitton, do grupo LVMH, se uniu ao campeonato “League of Legends WORLD” para desenvolver o monograma do baú que abriga o troféu do vencedor. A Gucci está vendendo seus sapatos digitais na Roblox. Essas são evidências suficientes de que o metaverso, um mundo virtual, é de fato realista e iminente”, argumenta.

Para Mariana Santiloni, da WGSN, ainda que em fase inicial, a previsão é que o metaverso se torne a nova maneira pela qual a sociedade e a cultura serão interligadas, e funcionará como uma terceira plataforma de lugares e serviços. “Em outras palavras, o metaverso representa a convergência definitiva dos mundos real e virtual. Semelhante ao que aconteceu com a internet em seu início, a criação do metaverso vai resultar em novas oportunidades, produtos, serviços, trabalhos e negócios”, finaliza.

Leia mais em: https://forbes.com.br/forbes-tech/2021/05/metaverso-tudo-que-voce-precisa-saber-sobre-a-tecnologia-que-integra-os-mundos-real-e-virtual/#foto6

Relacionado

Respostas

Seu endereço de email não será publicado.

Ricardo Ventura

Ricardo Ventura é Cientista Comportamental, escreveu cinco livros que foram Best Sellers na Amazon. Autor brasileiro pioneiro a escrever sobre PNL aplicada. Seu canal no Youtube, hoje com mais de 1 milhão de inscritos, já ultrapassa os 500 milhões de minutos assistidos.
Graduado em Administração de Empresas; pós-graduado em Psicologia Junguiana; Master Practitioner Trainer em PNL; Psicanalista e diretor da SILS (Sociedade Internacional de Linguagem Silenciosa) e especialista em inteligência relacional.
Foi treinador e empresário no ramo varejista por mais de 20 anos. É considerado por outros palestrantes e estudiosos da PNL o melhor palestrante/treinador de PNL, Vendas e Comunicação do Brasil!
Consultor sobre Comportamento Humano e Comunicação Não Verbal em: Profissão Repórter Rede Globo; Mulheres – TV Gazeta e NGT | Palestrante Convidado TEDx Rio
Autor Best Sellers: Crenças: o inconsciente influenciando resultados profissionais; Comunicar, Vender e Negociar com PNL; Como Manipular e Persuadir Milhares de Pessoas; Espero que Você Morra.

Pedro Ivo

Sócio proprietário do Grupo de Empresas Espiritualizadas Novo Mundo, onde está focado em curar o mundo das organizações e o significado do trabalho. É autor do livro “Empresas Espiritualizadas – Amor e Propósito na transformação do mundo corporativo”, assunto do qual ministra palestras e treinamentos por todo país. O início de sua formação profissional se deu em consultoria onde se tornou especialista em Liderança, Vendas e Negociação. É formado em Marketing e Publicidade, mercado no qual atuou como dono de agência por mais de 10 anos. Ao longo de sua carreira, encontrou amor pelo autoconhecimento e ferramentas de elevação da consciência, que hoje são os seus focos de trabalhos onde quer que esteja. Já prestou consultoria e treinamentos para diversas empresas, tais como: Santo Grão, Natura, Nextel, Senac, Grupo Curves International, Cyrela Commercial Properties, Ecopistas, Votorantim Energia, Grupo Marbor, Yázigi, entre outras.

Geraldo Rufino

Nascido no estado de Minas Gerais, ainda criança recolhia latinhas feitas de aço e folhas de flandre em lixões para vender no ferro-velho. Criado na favela do Sapé, em São Paulo, é fundador da JR Diesel, a maior empresa da América Latina em reciclagem e desmontagem de veículos. Dados dão mostram que a JR Diesel fatura anualmente R$ 50 milhões bruto. Autor do livro O Catador de Sonhos, pela editora Gente. Palestrou no TED Talks – até o presente momento, o vídeo já foi visto por mais de 450 mil pessoas no canal oficial do TED no YouTube.

Paulo Mathias

João Kepler

Empreendedor que investe desde 2008; Reconhecido como um dos conferencistas mais sintonizados com Inovação, Investimentos, startups e Convergência Digital do Brasil; Participa em +400 StartUps; Lead Partner da Bossa Nova Investimentos; Premiado como melhor Investidor Anjo do Brasil pelo Startup Awards; Diretor na FIESP e na ASSESPRO; Conselheiro na ACE, ANPROTEC e ACSP; Apresentador do Reality Show [O ANJO Investidor] na RedeTV! e JovemPan; Colunista de diversos Portais no Brasil; Palestrante internacional; Escritor e autor e coautor de vários Livros, entre eles o [O vendedor na Era Digital], [Educando Filhos para Empreender], [Smart Money] e [Gestão Ágil]; Premiado por anos consecutivos como um dos maiores Incentivadores do Ecossistema Empreendedor Brasileiro; Espalhador de Ideias Digitais e Melhores Práticas em Negócios.

Pablo Spyer

Pablo Spyer tem 27 anos de experiência na indústria de serviços financeiros. Diretor Estatutário de um dos maiores conglomerados financeiros do mundo, a MIRAE ASSET, Pablo é um profissional hábil, sênior e reconhecido. Spyer é conselheiro da Ancord, Associação Nacional das Corretoras e Distribuidoras de Valores Ele já foi sócio e diretor estatutário de uma corretora nos Estados Unidos, uma FULL BROKER DEALER, chamada Tradewire. Pablo é formado em economia pela F.I.U., na Flórida nos EUA e pós-graduado pela USP, em Mercado de Capitais Com uma das maiores e melhores redes de contatos de Investidores do Brasil, Pablo já começou diversos projetos de sucesso do zero. Pablo é autorizado pela CVM a administrar recursos de terceiros desde 2005 . Em 2008 Pablo se qualificou como PRINCIPAL nos EUA, e foi autorizado pela FINRA Americana a supervisionar e chefiar todas as áreas de uma Full Broker Dealer nos EUA. Criou o Minuto Touro de Ouro em 2020 que hoje é sucesso no Brasil inteiro através da Jovem Pan.

Samy Dana

Com um conhecimento profundo e uma didática extraordinária, consagrou-se como o mais carismático e inovador comentarista de economia e finanças do país, com uma capacidade única de transformar assuntos complexos em abordagens compreensíveis, interessantes e atrativas. Samy Dana é professor de economia da FGV, comentarista da rádio Jovem Pan, head de conteúdo da Easynvest e apresentador do canal InvestNews.

Fátima Zagari

Co-founder da TALKLAB Palestras, Evento e Escola de Palestrantes é publicitária, Fátima é pós-graduada em marketing e publicidade, pela ESPM, trabalhou como diretora de mídia na agencia de publicidade DPZ, na área comercial e conteúdo foi VP AD Sales & Trade Marketing na Viacom Brasil Network (Nickelodeon / Vh1) e superintendente de Ad Sales na Atmo Midia Digital Out of Home. Foi colaboradora em programa de rádioFM sobre práticas da compreensão do que se pretende passar com a imagem pessoal.

Ademir Emboava

Conceituado e carismático professor, é ator, diretor e professor de teatro. Atuante nas telas, já participou de grandes produções cinematográficas, teatrais e televisivas como novelas da Globo21h – como par de Gloria Pires, Record – Jesus e Genesis, séries como Supermax, Arcanjo Renegado – Globo, Me chama de Bruna – Globoplay, DOM – Amazon. No teatro atuou e dirigiu inúmeros espetáculos e é também professor de Artes cênicas do Célia Helena. Doutrinador – canal Space, entre outros.

Bruno Martini

Continua a consolidar sua posição como um dos talentos mais inovadores de sua geração na cena musical. Ultrapassando a marca de mais de 1,4bi de streams no Spotify, apresenta uma discografia composta por lançamentos que alcançaram praticamente todas as paradas globais. Seu primeiro hit mundial, “Hear me now”, uma parceria com Alok e o cantor Zeeba, segue como a música de brasileiro mais ouvida no mundo, com mais de 570 milhões de streams no Spotify. O single “Road”, uma colaboração produzida com Timbaland, conquistou Disco de Ouro e foi trilha sonora de uma campanha da TIM. Bruno foi o primeiro brasileiro a fazer uma parceria com o lendário produtor norte-americano que já fez produções com nomes como Madonna, Jay Z, Beyoncé, Justin Timberlake, entre outros.

Fernando Nitsch

Diretor, ator, professor e dramaturgo formado pelo Teatro-escola e pós-graduado em Direção Teatral pelo Célia Helena. Como ator, participou de espetáculos como: Single Singers Bar, músicas de Cole Porter, Gershwin e Kurt Weill, versões de Claudio Botelho e Carlos Rennó, direção de Dagoberto Feliz; Ricardo III, de William Shakespeare, com direção de Marcelo Lazaratto, espetáculo premiado com o prêmio Shell. Em TV fez Assédio e Aruanas, da Globo, protagonizou Gigantes do Brasil – History Channel e O

Angélica Greco

Co-founder da TALKLAB Palestras, Evento e Escola de Palestrantes, publicitária, foi executiva de pesquisa de midia e planejamento na agência McCann-Erickson/WMcCann, Executive AD Sales nos veículosde comunicação Carta Capital, IstoÉ e TV Bandeirantes. É certificada pela AICTV – Academia Internacional de Cinema e TV em Elaboração de Roteiro e já escreveu inúmeros roteiros e narrativas de Apresentações corporativas e Palestrantes e certificada pela Catho para a competência Comportamento, Etiqueta profissional e Protocolos empresariais

Rodrigo Botana

Profissional da área de tecnologia com mais de 30 anos de experiência. Professor em formato EAD desde 1995 ensinando desde ferramentas de produtividade até linguagens de programação avançadas tendo seus cursos distribuídos por todo país por diversas empresas e por Crianças Inteligentes em tecnologias desde VHS até internet passando por CD-ROM e DVD. Atuou como gerente de produtos na distribuição de games de grandes empresas como EA e Ubisoft. Possui mais de 20 anos de experiência como gestor na área de TI, desenvolvendo equipes engajadas e de alta performance.

Tony Ventura

Tony Ventura possui mestrado em negócios sustentáveis pela MUM nos Estados Unidos, e é referência em Tecnologia e Growth Hacking, especialista em SEO e criador do curso de Transformação Digital do Ministério da Economia. Palestrante internacional, Especialista e Pesquisador de Novas Tecnologias. Palestrou em lugares como Bangkok, Nova Iorque, Berlim, Cancun, Guadalajara, Singapura, Penang, ChiangMai, São Paulo e diversas cidades do Brasil. Como pesquisador de novas tecnologias, criou a maior comunidade de ferramentas do mundo.

Gabriel Villarreal

Gabriel Villarreal tornou-se empresário e palestrante aos 25 anos, construindo uma carreira de mais de 16 anos na área de empreendedorismo, palestras e treinamentos. Certificado pelo Disney Institute em Excelência de Negócios (Business Excellence), Atendimento ao Cliente (Quality Service) e Engajamento de Equipes (Employee Engagement), visitou os bastidores do mundo Disney conhecendo a fundo os ‘segredos da magia’. Intensificou seus estudos na área de Liderança e Inovação no Massachusetts Institute of Technology – M.I.T. É Bacharel em Direito pela Universidade Mackenzie; Pós-graduado em Direito Tributário PUC/SP; Mestre em Direito Político e Econômico pela Universidade Mackenzie; com extensão internacional em Contract Law pela Universidade de Harvard. Já palestrou no Brasil e no Exterior tendo impactado um público de mais de 150 mil pessoas através de seu conteúdo.

Cris Arcangeli

Fundadora de cinco empresas inovadoras: Phytoervas, Phyta, PH – Arcangeli, Eh e hoje CEO na Beauty’In e sócia do Fundo de Venture Capital Phenix. Apresentadora do programa Shark Tank Brasil e Comunidades a Mil. Mentora da Endeavor e diretora da FIESP – CJE / Pequenas e Médias Empresas e professora do Curso de MBA da PUCRS entre outras. Palestrante e escritora com três livros publicados. Criadora da Categoria dos alimentos com colágeno OS ALIMETICOS e criadora do primeiro BEAUTYDRINK no mundo. Atua no mercado de beleza, bem estar e alimentos funcionais. É Speaker e Moderadora no Clubhouse e eventos pelo Brasil. Foi conselheira do programa O Aprendiz. Criou a primeira semana de moda do Brasil, o Phytoervas Fashion e Phytoervas Fashion Awards, sendo reconhecida como uma das mulheres que mais influenciou o setor no país. Faz palestras no Brasil e internacionalmente disseminando os conceitos de Inovação, Marketing, Gestão 4.0, beleza e boa forma, empreendedorismo, empoderamento feminino. Ocupa a cadeira 21 da Academia Brasileira de Marketing e, ao longo de sua carreira, acumulou 24 prêmios, entre eles: Personalidade do ano pelo Governo do Estado de São Paulo, Mulher Mais Influente do País, Prix Veuve Clicquot de la Femme d’Affaires e prêmio das empresas mais inovadoras no Brasil.

Dony De Nuccio

Um dos mais prestigiados e admirados comunicadores do país, Dony De Nuccio tem experiência e visão privilegiadas, com uma trajetória profissional sólida e plural, incluindo passagens pelos ambientes corporativo, jornalístico e empreendedor. Sócio-fundador da Primetalk, head de Conteúdo da Easynvest e apresentador do canal InvestNews, Dony De Nuccio atuou por vários anos no mercado financeiro antes de construir uma extraordinária carreira na televisão.