Filtros de busca:

O que é design thinking e como usá-lo no marketing

Inovação é tema muito discutido no mundo dos negócios, além de ser um grande diferencial nas empresas. A metodologia de design thinking, por exemplo, pode ajudar os empreendedores a realizar abordagens com pensamento criativo.

Além desse ponto, o design thinking ajuda a organizar melhor as ideias e assim oferecer as melhores soluções, seja para a parte interna ou externa da empresa.

O foco no consumidor tem sido uma das estratégias mais utilizadas nos setores de marketing e vendas.

Os consumidores estão cada vez mais exigentes, graças ao acesso à informação. Isso gera um grande desafio para as empresas que precisam direcionar todos os seus esforços para entender as demandas do público e assim atendê-los com qualidade e encantá-los.

Com investimentos em produtos e serviços que podem ser personalizados, conforme as necessidades de cada um, as marcas de tinta epóxi preço e outros produtos/serviços podem obter ótimos ganhos.

As metodologias de inovação se popularizaram nos últimos anos entre os empreendedores, principalmente os que atuam no segmento de startups.

Um ponto importante é que os métodos inovadores podem ser implementados em diversas áreas.

O que é design thinking?

Design thinking é um conceito que se refere ao pensamento criativo e crítico que possibilita organizar as ideias de modo que estimula a tomada de decisões e a busca de conhecimento.

Basicamente, não se trata de uma metodologia específica, mas sim uma forma de abordagem.

O design thinking cria condições adequadas para maximizar a geração de insights e a implementação deles, na prática.

A ideia deste método é que os processos sejam executados de modo colaborativo e coletivo, reunindo assim o máximo de diferentes perspectivas.

As aplicações podem variar, ou seja, nas empresas o uso dessa técnica é muito comum para conseguir soluções para os mais variados problemas, independentemente do que seja.

Conforme as diversas perspectivas citadas, é possível alcançar o real entendimento sobre os problemas.

Outra opção muito comum quanto a utilização do design thinking é na criação de novos produtos e serviços.

Por meio de reuniões com representantes de todas as áreas da empresa, é possível agregar valor ao item em muitos quesitos, algo que aumenta as chances de sucesso.

Não importa o seu objetivo com o uso do design thinking, mas é importante saber que cada situação é única e isso mostra que cada empresa tem o seu jeito de conduzir os processos com esse método.

Sendo assim, um fabricante de amaciante, por exemplo, não tem a mesma aplicação da metodologia do que uma fábrica de plástico.

Etapas fundamentais do design thinking

O primeiro passo antes de começar a se aprofundar na técnica é conhecer a fundo a questão que precisa ser solucionada. Após uma análise detalhada, é possível escolher as melhores soluções, pensando sempre na aplicação.

O processo de design thinking é dividido em 4 etapas:

1. Imersão

A primeira etapa exige que os profissionais estejam informados a respeito dos principais assuntos da empresa, pois é com informações que a equipe pode entender melhor os problemas.
Se colocar no lugar do cliente, por exemplo, é uma dica que pode ajudar os colaboradores. Elaborar pesquisas e entrevistas podem ajudar a obter dados importantes para essa etapa.

Fazer uma análise SWOT para compreender melhor as forças, fraquezas, oportunidades e ameaças do seu negócio de sacolas personalizadas para loja é uma maneira de mapear pontos importantes, tanto da parte interna quanto das expectativas externas.

Esses recursos permitem que os designers conheçam melhor o perfil dos clientes, além de se aprofundar mais no caso. Os feedbacks também podem ajudar a equipe a pensar em boas soluções.

Um olhar empático pode fazer a diferença, sendo decisivo na etapa de imersão.

2. Ideação

Ao concluir a etapa de imersão, os profissionais já sabem os pontos que precisam de melhorias e o que não deve ser mexido.

A segunda etapa é chamada de ideação e consiste em ter ideias que sejam relevantes e que ajudem a elaborar as melhores soluções para a empresa.

Diferentes visões sobre os produtos e serviços da companhia de EPS isopor, pensando na satisfação dos clientes são maneiras de ter ideias que geram resultados.

É essencial mostrar os insights que podem aumentar a eficiência do processo. Sendo assim, reunir as equipes que estão envolvidas no processo e implementar técnicas de brainstorming, por exemplo, é uma ótima maneira de ter um compartilhamento das ideias.

Com isso, a empresa pode ter ótimas soluções e os colaboradores podem viver uma boa experiência de aprendizagem.

3. Prototipagem

Com as melhores ideias reunidas é importante fazer um processo de separação, ou seja, escolher as que possuem maiores chances de sucesso. Uma maneira de reduzir os índices de falhas, é fundamental criar protótipos.

A prototipação ajuda muito as empresas, já que é uma espécie de esboço do que foi realizado e antes de fazer os investimentos em execução.

As empresas que estão em processo de desenvolvimento de novos produtos, por exemplo, podem investir em um protótipo básico antes de produzir a versão definitiva.

É com base nos testes realizados que os profissionais podem decidir se as ideias precisam de ajustes ou podem ser conduzidas para o processo de desenvolvimento.

Nos casos de serviços, os protótipos precisam ser mais abstratos, ou seja, ter representações gráficas que possam simular ações reais.

4. Desenvolvimento

A última etapa é o desenvolvimento. Neste momento, todas as ideias podem sair do papel e se tornarem realidade.

Nas situações de lançamentos de produtos ou serviços, apostar no poder do marketing e da comunicação é fundamental para conseguir vender as soluções que a empresa de artefatos de cimento oferece.

Um ponto importante, que os empresários devem saber, é que o processo de design thinking não termina nessas 4 etapas.

Além das 4 etapas é necessário fazer um monitoramento constante, assim é mais fácil identificar pontos que precisam melhorar, além de tornar o processo de avaliação das operações mais simples.

Vantagens do design thinking

O design thinking pode agregar muitos ganhos nos negócios e aos clientes, pois, a partir deste método, os profissionais podem desenvolver competências interessantes, algo que ajuda as pessoas no futuro profissional.

● Algumas das vantagens são:
● Aumenta a produtividade e harmonia no ambiente organizacional;
● Ajuda na comunicação;
● Abordagem de baixo custo;
● Aumenta a vantagem competitiva da empresa;
● Potencializa os lucros;
● Une colaboradores de diferentes setores da companhia;
● Promove a valorização dos profissionais (que são mais ouvidos);
● Destaca boas respostas para os problemas do negócio.

Como o marketing pode se relacionar com a metodologia de design thinking?

O marketing está diretamente relacionado aos processos de satisfação dos clientes, descobertas e necessidades, visando a geração de valores e boas relações entre clientes e empresas.

As companhias estão sempre em busca de reduzir custos, conquistar novos clientes e desenvolver produtos e serviços de alta qualidade. Essas e outras ações podem ocorrer quando os colaboradores propõem novas soluções, o famoso “fora da caixa”.

Estar sempre atento às mudanças e tendências do mercado sem deixar de lado os objetivos e metas da empresa de equipamentos para laboratórios

Para tornar o processo do design thinking pode ser muito útil no marketing, graças às etapas de prototipação e validamento dos dados, transformando as experiências do cliente em algo positivo.

Ferramentas do design thinking que podem ser aplicadas no marketing

Conhecendo bem os conceitos de marketing e design thinking, os profissionais podem iniciar o processo de aplicação, na prática que consiste em:

Brainstorm

O termo brainstorm consiste no compartilhamento de ideias e dinâmicas em grupo, sem nenhum tipo de julgamento.

Mesmo que as ideias sejam ruins, podem servir em algum momento para alavancar o surgimento de novas soluções para o marketing das empresas de manutenção industrial.

Para as sessões terem resultados, é fundamental que os responsáveis conduzam para que algumas providências sejam tomadas.

Sendo assim, os envolvidos já sabiam um pouco a respeito do problema a ser resolvido e se aprofundar em leituras e pesquisas que estimulam a criatividade.

Mapas mentais

Os mapas mentais são de grande eficiência em desenvolver e organizar os pensamentos e ideias. O objetivo é proporcionar uma visão mais clara e completa a respeito dos processos criativos, algo essencial para o surgimento de outros insights.

As ideias consideradas centrais são colocadas em um ponto de destaque e a partir disso, é criado um fluxograma que permite a exibição de ideias secundárias.

Nos mapas mentais, o uso de desenhos, figuras e vários recursos visuais podem ajudar e deixar as ideias e objetivos mais claros.

Cocriação com os clientes

O envolvimento dos consumidores no processo criativo é uma prática muito comum entre empresas, principalmente as envolvidas com a era do marketing 4.0.

O público da era moderna considera e enxerga as marcas de modo igual e dá valor aos processos de personalização.

Portanto, conduzir um processo como este, torna a experiência mais enriquecedora. Os clientes podem trazer insights interessantes, já que os clientes têm uma visão diferente dos colaboradores que fazem parte da empresa de spray drying.

A interação entre clientes e empresas pode acontecer pelas redes sociais, onde os profissionais de marketing podem criar posts para as redes, pedindo opinião do público, por exemplo.

As técnicas e ferramentas de design thinking podem ser usadas no marketing ajudando em: branding, UX writing, produção de conteúdo, processos de trabalho, entre outras atividades do marketing.

Deste modo, investir no design thinking no marketing da sua empresa é uma maneira de ter excelentes resultados, mais visibilidade, além de ajudar no crescimento da empresa no mercado, além de ganhar a confiança do público.

Texto originalmente desenvolvido pela equipe do blog Business Connection, canal em que você pode encontrar centenas de conteúdos informativos sobre diversos segmentos.

Compartilhe esse conhecimento:

Outros posts que vão te interessar:

Power BI: você está pronto para se tornar um expert?

Conheceu mais sobre BI e quer se tornar um expert no assunto? Então, o curso Power BI é ideal para você! Nele, você vai começar a entender tudo sobre esse recurso a partir do zero. Para aprender, o processo vai ser muito prático e, o melhor, cada aluno vai criar um projeto real!

Durante o curso, você vai conferir desde a criação e instalação do sistema até a elaboração e visualização dos projetos, aprendendo como criar um dashboard e colocar mais inteligência no trabalho da sua empresa.

Saia do zero e vire profissional

Se você for um entusiasta do assunto, trabalha em uma parte estratégica da companhia ou pretende trabalhar, o curso de BI é feito para você! Criado para quem não tem conhecimento prévio sobre o tema, este curso vai ensinar tudo e tornar você um profissional da área.

O curso de Power BI on-line aborda cursos essenciais para todos os projetos de Business Intelligence, como Power Query, construção de layout bem definido, utilização das ferramentas, tanto no computador quanto no smartphone.

Ao final do curso, você vai poder desenvolver projetos profissionais de sucesso. Seguindo todas as etapas ensinadas nas aulas, você vai poder se destacar no mercado de trabalho tanto como consultor quanto como funcionário estratégico para a empresa em que atua.